Marketing de conteúdo: por que te ajuda a vender mais?

Marketing de conteúdo vai muito além de divulgar um produto e um serviço. Esse tipo de estratégia, além de ajudar a construir a marca, pode trazer excelentes resultados no quesito vendas. Quer entender o que é, como implementar e por que ajuda no faturamento? Confira nosso conteúdo de hoje.

Marketing de conteúdo: o que é?


Em uma definição mais simples, marketing de conteúdo é – simplesmente – o ato de produzir conteúdo (de qualidade, é claro) e disponibilizar em diferentes canais (como redes sociais, blog, email e etc.).
Tem sido uma estratégia muito utilizada por diversas empresas e vem se mostrando muito eficaz na busca pelos resultados.
Produzir conteúdo, nesse sentido, não é postar qualquer informação nas redes sociais apenas para mantê-las alimentadas, é nutrir o cliente ou potencial consumidor com dados relevantes (a respeito de sua área de atuação), que ajudem – de fato – seu público alvo.


Por que ajuda no faturamento?


Para responder essa pergunta, permita que façamos uma outra antes: qual o principal fator de convencimento em uma venda? Para quem empreende há algum tempo é fácil responder. O “argumento” que “vence” todos os outros é a CONFIANÇA!
Ninguém compra de uma empresa que não confia. Mesmo em vendas entre organizações – famosas transações B2B – estamos lidando com pessoas. É um CPF que toma a decisão pelo CNPJ e nenhum CPF decidirá por uma empresa/pessoa que não passar confiança.
Além disso, quando produzimos conteúdo, trabalhamos muito com o gatilho de RECIPROCIDADE. Você estará entregando informação relevante, estará ajudando aquele cliente, então – inconscientemente – ele estará propenso a te “ajudar” também, a “retribuir o favor”.

Como fazer marketing de conteúdo?


1. O primeiro passo é definir sua persona. Quem é seu cliente ideal? Quais são os hábitos, gostos e interesses dessa pessoa? Quais são as possíveis objeções? Quais problemas sua empresa pode resolver para ela? Por que sua empresa resolve esses problemas melhor que a concorrência?
2. Depois planeje tipos de conteúdos que poderiam ajudar a sanar as principais dúvidas dessa persona em relação ao seu segmento. Tente se colocar no lugar do consumidor: o que ele pesquisaria no Google para entender melhor sobre sua área de atuação?
3. Defina o cronograma dos conteúdos mesclando os diferentes estágios do funil de venda. Isso significa separar as informações de acordo com o tipo de pesquisa que seu potencial cliente faria. O consumidor pode estar em estágio muito inicial, ou seja, nem sabe que tem um problema ainda. Nesse caso, os conteúdos precisam deixar claro que existe esse incoveniente. Por exemplo, uma pessoa tem a vida muito corrida e acaba comendo muito mal por isso. Algumas vezes ela nem está relacionando o fato de comer mal com a correria. Então, será preciso mostrar, nos conteúdos, que a falta de tempo é um fator de risco para obesidade e outras comorbidades. Se a pessoa do exemplo já soubesse essa informação e estivesse buscando soluções para ajudá-la na equação falta de tempo x comer mal, ela já estaria em um estágio mais avançado do funil e assim por diante.
4. Procure traçar seu cronograma pensando nos diferentes canais de comunicação. Isso significa que você não deve traçar um planejamento apenas para o blog ou apenas para redes sociais. Pense em conteúdos que se adequem às diferentes plataformas (vídeos, blog, redes sociais, email e etc.

Caso precise de ajuda para traçar um planejamento de conteúdo personalizado para sua empresa, envie um email para contato@entrelinhasmarketing.com.br 

Leave A Comment