Usar humor inteligente ajuda a aumentar as vendas?

Humor, principalmente humor inteligente, pode ser muito eficaz para chamar a atenção do público. Qual o melhor momento de fazer uso dessa ferramenta na comunicação? Essa tática funciona em todos os casos? Veja a reflexão no texto de hoje.

O que é humor inteligente?

Na minha concepção, a definição de humor inteligente está totalmente relacionada às possibilidades de conexões e referências daquilo que é produzido. Explico melhor: quando uma peça, um conteúdo engraçado, tem conexão com acontecimentos da atualidade, questões filosóficas, livros, filmes, músicas, contexto histórico e etc., para mim, é considerado humor inteligente.

É interessante usar humor inteligente na comunicação?

Como tudo que envolve marketing e publicidade, quando há um planejamento bem estruturado e uma estratégia que responda o porquê da utilização, pode ser bastante interessante usar o humor.
Dar risada aproxima as pessoas da marca em certa medida. Humaniza o conteúdo e pode, inclusive, ser um combustível para viralizar.

Existe momento certo para usar o humor?

Novamente, isso depende muito da estratégia e posicionamento de marca. O conteúdo SEMPRE precisa estar alinhado com as características e objetivos do negócio, bem com a mensagem que a empresa quer transmitir para a audiência. Se a marca visa passar uma imagem de irreverente, jovial, o humor pode ser um excelente aliado.
Muitas organizações, inclusive, chegam a contratar humoristas consagrados para roteirizar seus comerciais a fim de mudar seu tom de comunicação e atrair determinada faixa etária.

Um case interessante

O Banco Santander, em parceria com a empresa Decolar, fez uma campanha intitulada “Cartão Infidelidade” e usou o cantor Fábio Junior como rosto dessa comunicação.

Logo de cara já conseguimos traçar 2 referências:
– os famigerados cartões fidelidades, que muitas empresas usam para conhecer melhor seu público e – obviamente – fidelizá-los ao seu negócio. Nesse sentido, o nome, logo de cara, já causa um estranhamento. As marcas em questão não querem que seus consumidores comprem mais delas?
– a escolha do cantor, conhecido por seus números casamentos, já causa uma graça ao expectador e reforça a estranheza apontada acima.
Entretanto, ao assistir o filme, compreendemos como a comunicação está totalmente amarrada. O mote é “não é questão de fidelidade e sim lealdade”, pois o comprador terá liberdade de escolher como usar os pontos do cartão de crédito em questão.

A parceria com a Decolar permite com que o público seja capaz de selecionar diferentes companhias aéreas ou hotéis ou aluguel de carro e etc. Tudo que estiver disponível na plataforma Decolar.

A imagem do Fábio Junior e a defesa do conceito da campanha reforçam que não importa se você “trocar de casamento”, o importante é ser leal enquanto estiver casado.

Trata-se de uma sacana genial e, a meu ver, um verdadeiro humor inteligente.

Precisa de ajuda para traçar uma estratégia de comunicação eficaz para sua empresa?
Basta enviar um email para contato@entrelinhasmarketing.com.br

Leave A Comment