Movimentos sociais no ciberespaço: possibilidades e desafios

A internet modificou muito a vida. Tanto no aspecto pessoal, quanto no empresarial. Essa afirmação é quase que unânime entre os estudiosos do ciberespaço. A questão é: qual a importância das redes sociais, por exemplo, para os movimentos sociais? Será que existiriam protestos e demais movimentações sem essas mídias? Discutimos um pouco sobre isso no texto de hoje.

 

A importância da internet

Em uma visão mais otimistas, quase que utópica, a internet é vista como a grande difusora de informação. Ela abre as portas do conhecimento ao mesmo tempo que possibilita que nos articulemos em comunidades, auxiliando os movimentos sociais. Rompemos as barreiras do tempo e do espaço e somos capazes de nos organizarmos com a facilidade de um clique.

Entretanto, é preciso ter um pouco de cautela e ter olhos mais críticos para essa nova tecnologia. Claro que o poder de viralização e força de compartilhamento são reais, mas também há espaço para propagação de notícias falsas e informações levianas, inconsistentes. A liberdade de expressão propiciada pela internet também dá margem para pontos extremamente negativos, como o bullying e a discriminação.

A verdade é que a internet, por si só, pode ser bem positiva, o que traz à tona os pontos negativos é o ator social que a utiliza. Por exemplo, temos a facilidade de comprar itens do conforto de casa, pesquisando preço e qualidade. Todavia, toda vez que realizamos uma compra online (ou fazemos uma busca no Google ou nos cadastramos em uma rede sociais), liberamos nossos dados para que as empresas saibam EXAMATENTE o que gostamos para nos “bombardear” com publicidade.

 

Ciberespaço e os movimentos sociais

Como dito anteriormente, as redes sociais, como Instagram, Facebook, Twitter e Whatsapp ajudam a disseminar as informações, facilitando o maior alcance de pessoas. Além disso, com mídias alternativas, não ficamos refém dos conteúdos passados pelas mídias de massa (como TV e revista), que podem apresentar visões tendenciosas e distorcidas sobre os fatos.

É importante ressaltar, entretanto, que as redes sociais, por si só, não são responsáveis pelas grandes articulações dos movimentos sociais. Afinal de conta, manifestações existem muito antes da internet existir. Um ponto extremamente importante dos movimentos sociais é a conexão multimodal. O contato olho-no-olho ainda é essencial na persuasão de pautas relevantes.

 

 

Precisa de ajuda para articular comunicações persuasivas e positivas em suas redes sociais corporativas? Conte com a EntreLinhas! Basta enviar um email para contato@entrelinhasmarketing.com.br

 

 

Fonte: PERUZZO, Cicilia M. Krohling. Possibilidades, realidade e desafios da comunicação cidadã na web. Revista MATRIZes.USP.v12 – nº3. Set/dez 2018. São Paulo- Brasil. P. 77-100.

Leave A Comment